PAI

March 19, 2017

Quando era pequena, o meu pai contava-me uma história que inventou, com um humor bizarro que me habituei e passei a admirar nele. A história era sempre a mesma, mas de alguma forma fazia-me sentir bem, divertia-me e eu pedia-lhe: “- Conta a do coelho e do arroz.” E o meu pai contava, com um sorriso cómico, tímido mas que lá estava, sempre. A verdade é que aquilo também o divertia. Hoje percebo porque gostava tanto da história. Era o nosso momento, a nossa história, partilhada só por nós. Como uma espécie de conversa e cumplicidade que nos unia.

Hoje, crescida, percebo que o que interessava era a forma e não o conteúdo: o sorriso do meu pai, a minha vontade de escutar e a dele de contar, de estarmos juntos, sem pressa.

Com os miúdos é isto mesmo. As histórias não têm de ser bestsellers, escritas só por escritores famosos ou contadas por contadores de histórias profissionais. Podem até ser simples, repetidas, mas o que mais importa é que acima de tudo sejam sentidas, transmitidas com cumplicidade, num tempo único e exclusivo entre pai e filho, em que o prazer e a satisfação de ali estarem juntos, apenas com uma história, uma conversa ou um abraço, é uma das maiores aprendizagens e contributos que se pode dar a um filho a crescer.

As memórias, aconteça o que acontecer, ninguém nos tira.

E às vezes é mesmo só isto.  Feliz dia do Pai.

 

 Fonte imagem: https://bibliomoureag.wordpress.com/tag/dia-do-pai/

 

Please reload

Posts Em Destaque

Carta de um adolescente em confinamento

April 27, 2020

1/10
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

  • Facebook - Black Circle
  • Google+ - Black Circle