Birras. Preveni-las e exterminá-las. Dicas para PAIS.

February 9, 2015

Se é pai/mãe já ficou com os cabelos em pé com as birras do seu filho. E se não ficou, lamento, mas irá ficar. Há momentos em que parece já ter tentado tudo e nada resultar, outros em que simplesmente desiste e outros em que se sente determinado(a) a resolver de uma vez por todas a situação. Comece por prevenir. Depois, sempre que necessário intervenha. Em breve, as birras passarão à história. Virá outro desafio...

 

Prevenção

Mais vale prevenir do que remediar...

 

É essencial, diariamente e de forma consistente, trabalhar na prevenção das birras, ou seja, no “antes que aconteçam”:

 

  • Demonstrar respeito - estar disponível para a criança, escutar atentamente o que tem para dizer, dar respostas às perguntas da criança, adequadas à sua idade, dirigir-lhe atenção privilegiada, nivelar-se fisicamente com  ela, sorrir;
     

  • Elogiar, reforcar positivamente os comportamentos adequados - perante comportamentos adequados, dar elogios imediatamente a seguir aos comportamentos. Assim, permite-se à criança perceber o que se espera dela e o que tem consequências positivas;
     

  • Fomentar a auto-confiança da criança - criar o hábito de lhe pedir ajuda e colaboração em tarefas, transmitindo-lhe o agrado por ajudar, criando situações em que seja bem-sucedida e possa brilhar;
     

  • Ser consistente e coerente - Os pais devem estar em sintonia na aplicação das regras e limites e cumprir até ao fim o que estipularam. O casal parental deve apoiar-se mutuamente no momento de dar uma ordem ou ralhar com a criança, mesmo quando estão separados. Em caso de discórdia, deverão conversar sozinhos e não se desautorizarem à frente da criança;
     
  • Manter a calma, firmeza e confiança - Ao prevenir deve definir claramente, de forma objectiva e simples o que pretende. Deve ser afirmado e não questionado: “Tens de ir...” ou “Agora vais...”;
     
  • Antecipar – O tempo estipulado para actividades deve ser cumprido e a criança deve ser avisada do aproximar do fim das actividades; 
     
  • Comunicar pela positiva - Ao comunicar deve fazê-lo de forma clara e pela positiva, dizendo “quando...(ex: acabares de comer tudo), então depois (ex: podes ir brincar)” em vez de “se não fizeres... não podes”.

No entanto, apesar da prevenção poder de facto evitar algumas birras ou facilitar a gestão das mesmas e ser a melhor forma de lidar com as birras, inevitavelmente há algumas que não se previnem.

É importante perceber se é uma birra de resolução fácil, porque a criança está adoentada, impaciente, está aborrecida ou stressada ou teve um dia menos bom. Nestes casos, um abraço, uma brincadeira especial, uma massagem pode chegar para acalmar um dia difícil.

 

Intervenção

Quando prevenir não é suficiente...

 

No caso de birras que testam os limites e as regras e são apenas reflexo do crescimento ou são verdadeiros pedidos de limites e regras, intervir sempre:

  • Manter a calma, respirar fundo e lembrar-se “Eu sou o adulto, isto faz parte e eu vou conseguir” – tentar manter uma postura tranquila mas séria, que transmita confiança, não alterando o tom de voz em demasia, repetindo calmamente e no mesmo tom o que se pretende que a criança faça, mas tornando-o mais sério, não mais ansioso ou descontrolado.
  • Palavra-passe - combinar com a criança uma palavra que é usada para “expulsar” as birras, transmitindo-lhe convictamente, a ideia de que é possível combater a birra e evitá-la. Valorizá-la sempre que conseguir;
  • Dar uma solução – dizer em tom calmo, sério e repetido como poderá solucionar a birra e dar-lhe um tempo para isso:“ – Vamos respirar enquanto conto até 10 devagarinho. Quando chegar ao fim, vais conseguir mandar a birra embora e juntos vamos descobrir uma forma de resolver a situação que te aborreceu.
  • Não ser um disco riscado -  O debate entre os pais e a criança no momento de cumprir regras deve ser evitado e a criança deve ser avisada não mais de duas vezes antes dos pais lhe mostrarem o que pretendem. As ordens dadas devem ser possíveis de ser cumpridas. Evite cair na tentação de justificar em demasia cada regra que dá. Basta dizer “- Temos de ir para a mesa, vamos arrumar os brinquedos”;
  • Extinguir - tentar não dar importância a um protesto face ao que disse e manter o que foi dito;
  • Fazer birras cansa – embora também canse os pais, a verdade é que a criança há-de cansar-se com a sua própria birra. Dar tempo para isso, procurando manter o que foi dito e dando-lhe a solução pela positiva: “- Quando parares podemos falar”. “- Quando parares podemos juntos encontrar uma solução”; 
  • Não deixar que a birra leve ao resultado pretendido – procurar não reforçar a birra, ou seja, se a birra foi feita para obter alguma coisa, não dar a consequência pretendida com o intuito de parar a birra.

Se nada disto parece estar a resultar... Peça ajuda. A Psicóloga dos Miúdos pode colaborar consigo. 

 

Rita Castanheira Alves

Please reload

Posts Em Destaque

Carta de um adolescente em confinamento

April 27, 2020

1/10
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

  • Facebook - Black Circle
  • Google+ - Black Circle