Sete Ingredientes para um Natal mágico e pedagógico para os miúdos

December 22, 2014

 

Andamos na rua, e começa a cheirar a Natal. Porque há luzinhas nas montras, árvores de Natal e bolas, renas, gorros de pai natal. Começa a época das compras de presentes e os miúdos a serem invadidos por anúncios apelativos de brinquedos nunca vistos e de jogos há tanto desejados. Começa a corrida às compras, ao rechear a base da árvore de Natal de prendas e o mais importante passa ao lado e daqui pouco já estamos em 2015.

 

Aproveite o Natal para mais uma vez transmitir bons valores aos mais novos. Aqui ficam sete ingredientes para um Natal positivo, pedagógico, divertido e de grande contributo para o crescimento dos seus filhos.

 

1. Transmissão do verdadeiro significado do Natal – cada casa, seu significado, acima de tudo saber cuidar

 

O Natal é uma época vivida de formas distintas por cada família, havendo mesmo famílias que por questões religiosas não festejam o Natal.

As que festejam têm para si um significado particular do Natal, que depende da educação, da tradição familiar, da existência e da prática ou não da religião.

Não há uma resposta certa uma vez que não há apenas UM verdadeiro significado do Natal. É importante sim que as crianças percebam o que é o Natal, de onde vem, o que simboliza e que seja um conceito e uma época partilhada com a restante família/amigos/cuidadores.

 

2. O consumismo do Natal – ajudar o seu filho a lidar com tanto apelo publicitário

 

Esse é um trabalho diário, de todos os momentos com a criança. Apesar da publicidade ser mais proeminente durante a época natalícia, as crianças actualmente estão bastante expostas ao grande apelo publicitário. Como tal, esse é um trabalho do todo o ano: mediar a emissão da informação publicitária e a forma como a criança a recebe e o que faz dela e fora da publicidade, ter todos os cuidados com a forma como a criança trata os seus brinquedos, faz uso dos mesmos, aproveita um brinquedo, desfruta do mesmo.

 

3. O Natal é solidário – aproveitar a época para desenvolver a solidariedade

 

As acções de solidariedade, de construção da sensibilidade para a existência do outro, das condições diferentes em que outras crianças/pessoas vivem é sempre essencial para a construção do altruísmo, do combate à indiferença, da justiça na personalidade. Ao longo de todo o ano, os pais podem realizar acções envolvendo as suas crianças, não tendo de ser apenas uma acção reservada à época do Natal. No entanto, no Natal, aproveitando o facto de ser uma época de dar, porque não fazerem uma arrumação ao quarto e escolher brinquedos e roupas para quem não os tem, mas precisa? 

 

4. A Carta ao Pai Natal – escrever ou não escrever

 

A carta ao Pai Natal pode ser um documento que fortalece a fantasia e o imaginário das crianças, condições essenciais e importantes no seu desenvolvimento, como tal poderá ser escrita.

Quando bem aproveitada, é uma excelente ferramenta para explicar à criança um conjunto de valores e ideias: a partilha, a necessidade de tomar decisões, a escolha, a frustração… Os pais ao explorarem a carta da criança ao Pai Natal podem de uma forma adaptada à fase de desenvolvimento da criança desenvolver estes valores com ela e reflectir com ela sobre estas questões. Em simultâneo está a ser permitido à criança que desenvolva o seu imaginário e fantasia, tão importantes para o seu desenvolvimento, e ao mesmo tempo, que lhe comecem a ser incutidos valores essenciais para a sua vida e para a realidade em que está a crescer.

Quanto à explicação das crise financeira, como qualquer assunto da nossa realidade e que afecta o dia-a-dia da criança, poderá ser abordado de forma simples e adaptada ao seu nível de compreensão e de maturidade emocional e não é necessário esperar pelo Natal para explicar. É importante que a criança seja atenta, curiosa mas não passar uma extrema preocupação para ela, mostrar-lhe sim que os adultos cuidarão da situação e que ela com a partilha, a compreensão, a poupança à sua maneira poderá também estar a contribuir bastante, valorizando-a por isso.

 

5. A escolha dos presentes – sugestões adequadas a cada faixa etária

 

Nos primeiros 6 meses, pode-se optar por brinquedos que poderão ser coisas que temos em casa, afinal tudo é novidade para a criança: tampas de tachos, molas da roupa, colheres de pau, só é necessário ter cuidado com a escolha de objectos desinfectados e não tóxicos. Nesta fase e porque começam a observar o que os rodeia, poderão ser construídas bolas de pano, com várias cores, padrões e tamanhos para pôr no berço, ao mesmo tempo que observam podem dar pontapés nas bolas e ver o seu movimento e pode ser posto um espelho inquebrável para se irem vendo embora ainda não se reconheçam. Pode pôr-se um papagaio de papel no carrinho, gostam de ver o movimento do papagaio quando vem o vento. Nesta fase, o som também é muito atractivo, podendo pôr-se no berço, no carrinho guizos com tamanhos, materiais e cores diferentes.

O livro, inicialmente de pano ou de um material maleável, depois em outros materiais deverá ser um objecto que acompanha a criança desde sempre, mesmo no berço e é um óptima ferramenta para interacção de pais e filhos, de desenvolvimento cognitivo, da fantasia, da criatividade e uma fonte de aprendizagem.

Dos 6 aos 9 meses, canções, rimas são muito adequadas a esta fase, para os bebés que já gatinham bolas de plástico para irem atrás delas. No banho, funis, batedor de ovos manual, copos, poderão ser extremamente divertidos e úteis para o seu desenvolvimento.

Entre os 12 e os 18 meses poderão ser escolhidos brinquedos que proporcionem o encaixar, o abrir, o fechar, blocos de borracha para arrumar e desarrumar. Os brinquedos com botões que dão luz, som, mexem-se são também indicados para esta fase. Quando começar a andar, brinquedos ligados à locomoção: cadeirinha de passeio, andarilho, carrinho de plástico, jogos com obstáculos para vencer. São também importantes nesta fase, os brinquedos onde podem bater, como o tambor ou o xilofone, para que desenvolvam a coordenação muscular grossa.

A partir dos 18 meses até aos 24 meses, para estimular o desenvolvimento cognitivo poderá optar-se por brinquedos/jogos como puzzles, contas grossas de madeira para enfiar numa corda, caixas para colocar tampas. É uma boa fase para desenvolver o jogo simbólico, telefones, fantoches, bonecos ou carros são excelentes brinquedos para o jogo simbólico e criatividade. Fora de casa, andar de triciclo, baloiço ou escorrega.

Aos 3 anos e 4 anos, privilegia-se os brinquedos que promovam a criatividade, o jogo simbólico, o desenvolvimento cognitivo e a curiosidade.

Aos 5 anos, poderão ser introduzidos brinquedos, jogos que possam contribuir para a preparação para a escolar: o quadro para escrever, os desenhos para pintar, os desafios cognitivos, os jogos.

Em qualquer idade e especialmente nos mais velhos, é essencial que a criança possa exprimir os seus gostos e interesses, lhe seja permitido o conhecimento de diversos brinquedos e jogos. Construir brinquedos com a criança poderá também ser uma boa escolha.

Além do livro ser transversal a qualquer faixa etária, a arte e a música também são essenciais e bons motores de desenvolvimento em qualquer fase: peças de teatro, exposições, concertos adaptadas a cada faixa etária são excelentes presentes para os mais novos. Afinal, são presentes a dobrar, porque oferecem a possibilidade de interagir com os adultos significativos.

 

6. Avós e tios oferecem tudo – regras e condições das prendas

 

Poderá ser útil, nomeadamente aos avós e tios que por vezes consultam os pais quanto ao que poderão oferecer, transmitir-lhe que valores estão a ser trabalhados com a criança, a importância de que ela consiga perceber que nem sempre é possível ter tudo e que é importante cuidar e apreciar o que temos.

De qualquer modo, e se se optar por não transmitir alguns cuidados aos elementos mais próximos da família, o importante é que esteja a ser desenvolvido com a criança valores como a partilha, o desfrutar dos brinquedos que tem, a escolha, o não ser possível ter tudo, construindo assim com ela a tolerância à frustração e o saber cuidar dos brinquedos que tem.

 

7. Mas afinal o Pai Natal existe? – a pergunta e a resposta

 

Enquanto a criança não questiona, os pais poderão respeitar a sua fantasia e a construção desse conceito que é o Pai Natal e até como referi anteriormente usá-lo para desenvolver um conjunto de valores na criança.

Quando a criança questiona possivelmente chegou o momento em que já percebeu que o Pai Natal não é real, é uma fantasia e poderá ser explicado isso mesmo, ou seja, mesmo crescendo e sabendo que o Pai Natal não é mesmo real, ele pode continuar a ser uma fantasia, uma personagem imaginada que aquece o Natal e o torna uma época mágica e de alegria.

É essencial os pais estarem atentos às perguntas das crianças, perceberem o que a criança está a sentir e pretende com cada uma das suas perguntas e conseguirem dar respostas para a tranquilizar e esclarecer.

 

Feliz Natal!

 

Rita Castanheira Alves

Please reload

Posts Em Destaque

Carta de um adolescente em confinamento

April 27, 2020

1/10
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

  • Facebook - Black Circle
  • Google+ - Black Circle